quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

UMA DROGA PODEROSA : DEPOIS DE UM PERÍODO DE ABSTINÊNCIA, ONTEM A RECAÍDA

Sim, ontem tive uma recaída e abusei do consumo de uma droga poderosa. Ela é sedutora, e se infiltra em nossa vida sem que possamos dar conta. O pior é que às vezes nem se percebe que se trata de um entorpecente maléfico e muitas vezes, se não quase todas, é considerado algo positivo.

Depois de um período de quase dez dias em abstinência, ontem deixei a minha atenção e mente serem entorpecidos pelo fluxo de notícias. Para um brasileiro, ontem foi um dia para se prestar atenção no que acontecia com o julgamento do ex-presidente Lula. Adorado por muitos, detestado por muitos, uma parte significativa das pessoas prestou atenção ao que três juízes tinham a dizer sobre as alegações de corrupção e lavagem de dinheiro. Eu, brasileiro como qualquer outro, também devotei a minha atenção ao noticiário. “Oh boy”, como isso faz mal à saúde mental e a uma vida mais produtiva.

Eu há alguns meses venho modificando a minha alimentação. Carboidratos refinados muito dificilmente entram na minha dieta, assim como açúcar (na verdade todo carboidrato vai virar açúcar em seu organismo), a não ser eventualmente a frutose encontrada em diferentes quantidades com diferentes índices glicêmicos nas frutas. E o que isso remotamente tem a ver com o tópico dos dois primeiros parágrafos? Paciência, chego lá antes que os comerciais do programa de notícias do rádio terminem. Sábado passado, na festa de despedida de um bom amigo que está indo viajar para o exterior, comi um bom número de fatias de pizza, já que foi feito uma “noite pizzada”. No dia seguinte, me senti muito mal fisicamente. Parece que o meu corpo está se desacostumando a comer comidas que possuem a capacidade de produzir inflamação no corpo, ou seja, não muito saudáveis.

Foi exatamente o que aconteceu ontem. Eu tinha ficado uma semana sem ver absolutamente nenhuma notícia, em nenhum meio de comunicação. Não foi uma tarefa fácil, pois como estou a todo vapor na escrita do livro sobre leilões, constantemente estou sentando na frente de um computador escrevendo ou pesquisando algo na internet. É quase automático digitar algum endereço de notícias, seja brasileiro ou estrangeiro. Durante uma semana, nem mesmo isso eu fiz. Desintoxicação. Eu já passei diversas semanas, especialmente quando viajando em lugares mais inóspitos onde não tinha eletricidade, sem qualquer contato com as “notícias” do mundo. Invariavelmente, a sensação sempre foi de bem-estar e conexão com o momento, bem como com a realidade de uma forma muito mais forte. Tentei, portanto, fazer isso no meio do tumulto e das diversas distrações que os aparelhos eletrônicos hoje em dia proporcionam.

Consegui. No final do sétimo dia, me dei o “luxo” de olhar as notícias por uma hora, nem mais nem menos, colocando inclusive despertador para tanto. Meu cérebro ávido, como qualquer viciado talvez fique depois de um período sem entorpecimento, foi então olhar várias notícias. O Trump chamou países de “buracos de merda” ou algo parecido. A Caixa Econômica Federal teve funcionários do alto escalão acusados no envolvimento de condutas duvidosas. Uma apontada, filha do pivô do mensalão o ex-deputado Roberto Jefferson, foi impedida de tomar posse como ministra de alguma coisa. Deu 15 minutos, e eu sinceramente não agüentava mais, pois tudo aquilo me pareceu uma grande perda de tempo, um mecanismo engenhoso para capturar a atenção das pessoas sem fornecer nada significativo em troca. 

Um livro de Dostoiévski demanda muita atenção, mas ele proporciona algo em troca. Um livro mais profundo do Damodaran demanda empenho e atenção, mas ele proporciona um conhecimento de alto nível para aqueles que querem realmente entender sobre valuation de ativos. Um relacionamento forte com amigos, esposas, pais, demanda atenção, mas, se fortalecidos, eles nos proporcionam muita satisfação pessoal.

Porém, o que essa máquina de produção de pretensas notícias que não para um minuto sequer dá em troca pela nossa atenção? Nada, absolutamente nada. Aliás, pelo contrário, ela apenas nos retira. Ela retira o tempo para você ler Dostoiévski, Damodaran, Paulo Coelho, ou qualquer outro autor que possa lhe interessar. Ela rouba precioso tempo em que alguém pode gastar fortalecendo relacionamentos. Ela suprime valioso tempo em que a pessoa pode gastar com ela mesma, seja reparando no seu corpo, seja reparando na respiração, e construindo rotinas para que o organismo possa se fortalecer e melhorar. Ela inspira, quase sempre, os piores sentimentos nas pessoas: desesperança, indignação, ódio, medo (ah, principalmente medo, o mecanismo perfeito de dominação e convite à passividade) e futilidade.

Ainda pior, ela destrói a capacidade de se focar em algo com a intensidade necessária para produzir algo de valor. Ontem, ao deixar o meu cérebro vagar pelos diversos noticiários, comentários sobre o julgamento, eu não escrevi nada de novo no meu livro. Zero. Mesmo na minha rotina de não precisar trabalhar mais por dinheiro. Apenas como comparação, na semana que me abstive do consumo dessa poderosa droga, eu li seis dissertações de mestrado sobre um tema que estará no livro, li centenas de decisões judiciais, reformulei 70 páginas que já tinha escrito e escrevi algo entre 40 novas páginas. Surfei diversas vezes, malhei diversas vezes, li diversos artigos sobre temas relacionadas à saúde, iniciei práticas meditativas e de rituais ao acordar e ao dormir. Não tenho a menor dúvida que há pessoas muias vezes mais produtivas do que eu, mas fiquei bem contente com o resultado. No dia de ontem, não produzi nada de valor. Não li nada de novo para a minha vida. Fiquei como um verdadeiro zumbi entre uma noticia e outra, ao ficar ouvindo o voto dos desembargadores do Tribunal, ao ler comentários de analistas e cidadãos, em suma o dia passou.

À semelhança com o pós “noite da pizzada”, eu me senti mal. Não só intelectual, mas como fisicamente. Era dia de descanso da academia, mas resolvi às 18:00 pegar a bicicleta e ir à academia fazer qualquer coisa. Estava chovendo, e foi incrível pedalar na chuva. Na academia, fiz apenas um treino funcional, apesar de ser em alta intensidade. Pedalei novamente na chuva sem camisa, e a sensação da água caindo no corpo foi incrível. Parei num sushi, comi um combinado (comendo arroz branco refinado, mas enfim) e me senti muito, mais muito melhor de como estava me sentido antes da atividade física.

Esse fluxo de informação é tóxico. É prejudicial para o seu bem-estar, para o seus relacionamentos, e principalmente para a sua capacidade de produzir algo significativo.  O fluxo de desinformação de redes sociais e de fontes criadoras de notícias sem pé nem cabeça é pior do que tóxico, porque além dos problemas apontados acima, vai criando pessoas incapazes de realizar pensamento crítico, crédulas em tudo que é apresentado. Em alguns casos é ainda pior, pois vai instilando raiva e ódio em relação a grupos de pessoas ou idéias. Dessa toxidade mais perniciosa ainda bem que nunca fui muito atingido.

O blogueiro Corey escreveu no seu último artigo sobre silêncio. O silêncio não é só dos estímulos externos, mas também o silêncio da mente. As mentes estão tão inquietas que boa parte das pessoas não consegue mais apreciar o silêncio tão necessário para o equilíbrio do corpo e da mente, e em muitos casos para a produção de conteúdo de valor. O fluxo constante de notícias, de mensagens em mídias sociais, de comentários, impede que a mente se aquiete. Impede que ela se restaure. É possível que até mesmo impeça que novos conhecimentos mais aprofundados sejam formados. A quantidade de estudos, e livros baseados nestes, sobre os efeitos deletérios do fluxo constante de informações é simplesmente enorme.

Desintoxique. Se você pega o seu celular de manhã ao acordar para ver as notícias do dia, sem mesmo se olhar no espelho ver se acordou bem ou tomar um copo de água, você está viciado, e está lentamente adoecendo. Sinceramente, eu não sei se há níveis saudáveis de exposição a esse entorpecente. Porém, se é difícil se livrar totalmente desse vício, ainda mais no mundo onde vivemos onde tudo está conectado mas parece que as conexões verdadeiras humanas são cada vez mais raras, é possível sim diminuí-lo para que a sua toxidade seja mínima.  

E sobre o julgamento? O que se pode dizer? Uns ficaram tristes, outros alegres. Alguns juristas entendem que houve alargamento de conceitos, algo que ao menos em teoria não se pode fazer em direito penal, outros juristas entendem que não. Uns acreditam que Lula morreu politicamente, outros entendem que não. Uns acham que isso vai ajudar a reforma da previdência, outros acham que não. Uns acham que o mercado já tinha precificado a derrota por 3x0, outros acham que não.

O que eu acho é que o fluxo de notícias simplesmente não irá parar, e a pessoa irá pular de uma notícia para outra, de um “acontecimento importante” para o outro, e sem se dar conta, semanas, meses, e às vezes anos se passam no piloto automático. A pessoa de uma maneira inconsciente terá deixado que a sua atenção, o seu tempo (o que de mais precioso possuímos), tenha sido tomado, sem que nada, absolutamente nada tenha recebido em troca.

Um abraço a todos!

52 comentários:

  1. Falou e disse Soul, a partir de agora pretendo me desligar desse G1 miserável, que tanto toma meu tempo. Ontem mesmo, ai ai ai.

    Lembro de uma época que decidi ficar sem Whatsappp, sem facebook, sem internet praticamente, foram meses de sossego mental. Depois, por algum motivo, decidi voltar ao whatsapp apenas... daí foi só uma questão de tempo até voltar a como era antes em toda mídia digital. Preciso voltar àquele refúgio mental que outrora estava.

    Obrigado pelo texto, e pelo incentivo colega.

    Fica com Deus e um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, D. de um Poupador!
      Veja, é como a noite da pizzada, é difícil se controlar com tantas boas pizzas sendo servidas, boas conversas e um bom vinho. Porém, eu, nesse caso específico, extrai um enorme prazer, apesar de exagerar um pouco em alimentos não tão saudáveis. É uma troca que de vez em quando pode valer.
      Sobre os grupos de Whatsapp, você não recebe nada em troca. Nada. Na verdade, só piora a sua citação.
      Você mesmo já fez o experimento, e conseguiu atingir um lugar de "refúgio mental". A expressão é bem colocada e muito feliz. Realmente, precisamos de um refúgio.
      Mídias sociais foram e são designadas para tomar a nossa atenção, às vezes achamos que vamos resistir, e é apenas cinco minutos, e quando se viu se passaram duas horas, e a pessoa não sabe o que fez com aquele tempo.

      Eu que agradeço o comentário!

      Um abraço!

      Excluir
    2. Boa sorte em tentar sair. Eu estava meses fora e fui fisgado por acaso pelo comercial do JN no dia da delação de Joeslei. Levei mais dois meses pra dar um basta de novo...

      Sardinhaanônima

      Excluir
  2. Já que pedalou na chuva, não esqueça de lubrificar as correntes da bike para a próxima pedalada. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o post. Eu finalmente consegui limitar o acesso a redes sociais em minha vida a nao mais que 20 minutos por dia.

    Impressionante o tempo que perdemos vendo coisas inúteis, notícias inúteis. Televisão (salvo para algum esporte, séries e filmes netflix) já aboli da minha vida. Após ver a cobertura vergonhosa dos eventos que cada canal dá então.. nao faz sentido assistir esses jornais para ser enganado.

    Melhor coisa a fazer é isso: cuidar da saúde, do relacionamento, das finanças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Muito bom.
      Eu também veio melhorando bastante nessa área. Há anos que não assistia televisão com frequência (ocasionalmente o jornal da cultura e alguns programas do globo news), mas atualmente não sinto vontade de ver nada na televisão. às vezes apenas ligo a televisão de maneira deliberada, depois de um treino intenso, apenas para entorpecer por alguns minutos minha mente e descansar no chão da sala.

      Um abraço!

      Excluir
    2. Séries e filmes valem a pena? Quais? Sou um grande entusiasta, mas estou perdendo interesse mesmo nas obras que te fazem refletir... Acho que há mais coisa interessante em livros, apesar de ler cada vez menos... E assistir séries e filmes cada vez mais hahaha...

      Excluir
    3. Eu, particularmente, gosto muito de filmes e documentários.
      Vi uma série sobre a segunda guerra mundial em 13 episódios, com imagens coloridas, que foi simplesmente sensacional.

      Excluir
    4. Você consegue lembrar o nome? Obrigado!

      Excluir
  4. Bem colocado no que tange o consumo de notícias. Esse acesso ao mundo virtual full time é uma verdadeira tempestade de distrações. Uma busca aleatória e do nada uma tarde inteira perdida...

    Ainda mais nocivo são as redes sociais(geradoras de "notícias", além de ter o pretexto "servir" para conexão de pessoas). Aqui um texto muito bom no que tange o assunto: https://papodehomem.com.br/estamos-viciados-em-ser-infelizes

    Fica bem claro como a tecnologia e psicologia comportamental aplicada "hackearam" a mente das pessoas. Que desse ponto em diante realmente estão vivendo em piloto automático.

    O que fazer? Muitas vezes o trabalho, a família, contatos exigem que estejamos conectados.

    O MMM já abordou esse tema, deixo o link aqui: http://www.mrmoneymustache.com/2013/10/01/the-low-information-diet/

    Desculpe ficar linkando, mas prefiro não chover no molhado. Se alguém leu seu escrito, os dois links, certamente despertará...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo. O do MMM eu já tinha lido, esse outro vou dar uma olhada depois, grato pelos links.
      Claro, mas podemos fazer isso com mais parcimônia. Eu constantemente estou no whatsapp, pois preciso para controlar as vendas dos imóveis que tenho, já que são vários corretores, cidades difeentes. Porém, não vejo a hora de diminuir, ou liquidar por completo esses imóveis, para não precisar mais prestar atenção no whatsapp.

      Um abraço!

      Excluir
  5. Olá Soul!

    É muito tóxico este comportamento de ficar o tempo todo esperando por novas notícias, a ânsia de querer saber através de terceiros sobre o que acontece com a vida alheia. E é muito difícil de se desintoxicar disso.

    O dia de ontem foi terrível. Tive uma conversa terrível com um colega de trabalho durante o almoço de hoje. A conversa em si foi civilizada e num tom agradável, mas só se falou de notícias e incertezas, assuntos poucos construtivos...

    É difícil se desconectar, principalmente quando estar conectado faz parte do seu trabalho...

    Grande reflexão!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,Investidor Wannabe.
      É, pode ser difícil desconectar num mundo aparentemente mais conectado, mas é importante. Nossa sanidade mental, bem como a nossa produtividade dependem disso.
      Abs!

      Excluir
  6. Pra quem dizia que não havia provas contra o bandido, perder de 3x0 elimina qualquer dúvida. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Foi uma derrota acachapante sem dúvida. Falando em dúvida, num processo judicial criminal, a não ser em casos muito evidentes onde há cenas incontestes de vídeo por exemplo, é muito difícil dizer que qualquer dúvida tenha sido eliminada. Faz parte do procedimento judicial e das contendas jurídicas.
      Abs

      Excluir
  7. Olá Soul. Minha opinião é: nem tanto a terra, nem tanto ao mar. Tudo na vida exige equilíbrio. Não vejo problema em "perder" 1 hora por dia (ou até menos) para estar por dentro dos acontecimentos do país e do mundo. Ficar muito por fora pode levar a alienação da nossa sociedade em que vivemos, como ocorre frenquentemente com pessoas ricas e fúteis (e até pobres ignorantes), que ficam o dia todo malhando, ou filosofando, ou fumando maconha, por exemplo, ou qualquer outra droga muito pior. Vejo isso o tempo todo aqui no RJ. Estudantes alienados, sem a mínima noção da realidade que ocorre bem perto da onde moram, ali, bem ao lado dos seus apartamentos de luxo. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hank.
      "para estar por dentro dos acontecimentos do país e do mundo", não creio que ao ver os noticiários locais alguém estará dentro dos acontecimentos do mundo e do país. Aliás, quais acontecimentos? No mundo há bilhões, talvez centenas de bilhões de acontecimentos ocorrendo todos os dias, e o foco que as redes de notícias dão à própria realidade condicionam a visão de boa parte das pessoas dessa mesma realidade. Por qual motivo saber que uma pessoa foi atropelada na via dutra é um acontecimento e um marido dá uma flor por 40 anos de casado para esposa não é um acontecimento digno de ser noticiado? É tudo uma questão de perspectiva.
      Veja, se alguém quiser saber o que realmente acontece no mundo, eu sugiro a leitura de livros, muitos deles das mais variadas matizes, para ao menos estar preparado para filtrar as notícias.
      Se a pessoa realmente quer acesso a notícias, talvez faça mais sentido acessá-las numa plataforma como a The Economist, onde uma matéria sobre a África, por exemplo, terá dezenas de páginas e será feita de maneira mais ampla, bem mais, do que outras mídias mais tradicionais.
      "Ficar muito por fora pode levar a alienação da nossa sociedade em que vivemos" (...) "sem a mínima noção da realidade que ocorre bem perto da onde moram, ali, bem ao lado dos seus apartamentos de luxo."
      Isso é uma verdade. A alienação pode ocorrer em muitas perspectivas. Quantas pessoas em cidades grandes, como no RJ, não conhecem nem mesmo o nome dos seus vizinhos de porta. Isso seria impensável há 40-50 anos, mas é algo tipo como normal, o que para mim não deixa de ser uma forma de alienação.
      Porém, não será ligando a globo news, lendo a CNN, ou a Breitbart news, que a pessoa se reconectará de maneira mais densa com o seu entorno, eu acho inclusive o contrário.

      Dito tudo isso, cada um deve saber o que é melhor para si, para a vida e para a sua própria produtividade. Se a pessoa necessita dessa uma hora por dia para zapear pelas notícias, e se ela faz isso num horário específico, sem interromper outras atividades, realmente o dano nem de longe é tão agudo como acontece com muitas pessoas que fragmentam a sua atenção durante o dia inteiro olhando as "notícias" ou as "novidades".

      No mais, agradeço a sua ponderação e o seu comentário.

      Abraço!

      Excluir
  8. Excelente texto. Talvez o melhor que já li seu.

    Não à toa, muitos executivos ignoram completamente o noticiário. Mais tempo pra trabalhar com resultados e pra família. Tava lendo algo sobre isso num livro. Eu estou melhor em relação a isso, mas ainda há o que progredir. Não "venci na vida" financeiramente ainda, você já pelo menos. É um tempo crucial. Falando em Paulo Coelho, você já leu O Alquimista? Se sim, gostou? O príncipe, de Maquiavel, clássico, já leu também? Se sim, gostou? Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Sério? Nossa, agradeço o elogio.
      Eu li o Alquimista quando estava machucado em El Salvador numa pousada frente ao mar com altas ondas. Tinha torcido o meu tornozelo e estava de molho, e acabei lendo diversos livros, um deles o Alquimista escrito em espanhol. Isso foi em 2010, e na ocasião lembro que eu não gostei muito do estilo de escrita, nem muito de como a história e os personagens foram construídos. Mas, é uma percepção pessoal, é claro.
      O Príncipe eu li em 1999 para uma aula de Ciência Política. Sinceramente, não me lembro muito do conteúdo, mas não foi um livro que me marcou à época.

      Um abraço!

      Excluir
  9. Olá SoulSurfer,

    Parabéns pelo post.
    Faz um bom tempo que não assisto jornais e leio muito pouco essas notícias. Como você falou: não vai me agregar em nada saber sobre um atropelamento, brigas de famosos, etc. Prefiro ler meus livros.
    Sobre aqueles programas de notícias como o do Datena. Esses eu acho os piores e há muita gente viciada neles.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cowboy!
      É verdade. Há níveis de toxidade nas notícias que consumimos. Um Jornal da Cultura, que eu via quase todos os dias, tem um nível menor de malefício. Um programa tipo Datena é simplesmente danoso ao extremo, não há nada a acrescentar, ao contrário de um noticiário que pode ao menos lhe manter informado sobre alguns acontecimentos específicos do Brasil e do mundo.
      Um abraço!

      Excluir
  10. Bom dia, Soul!
    Belas ideias e lições. Infelizmente, ainda estou escravo desse vício - dois jornais por dia e um twitter a noite.
    Esse trecho me chamou a atenção : "[...] iniciei práticas meditativas e de rituais ao acordar e ao dormir". Agradeceria se você pudesse discorrer melhor sobre essas práticas e rituais.
    Um bom final de semana. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Risco e Tempero.
      Boa ideia, colega. Irei escrever sim, creio que esses textos com insights mais práticos agradam as pessoas.
      Um abraço!

      Excluir
  11. Você tem toda a razão. Assim como você, eu venho tentando reduzir a minha exposição aos jornais televisivos e notícias relacionadas a política. Há anos só se fala de corrupção. Isso vai gerando uma depressão e revolta dentro de você e são sentimentos que não levam a nada.
    Precisamos tentar melhorar o nosso mundo interno, todas estas coisas externas são distrações e coisas que não temos o poder de mudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Sem a menor dúvida. Para termos qualquer impacto positivo no mundo "exterior", precisamos estar fortalecidos internamente. Quanto menos o mundo "exterior" nos influenciar na nossa sensação de bem-estar, algo que os Budistas tentam atingir, mais tranquila e serena nossa vida fica.

      Um abraço!

      Excluir
  12. Fala Soul,

    Lembrei na hora do filme Click quando você citou o piloto automático. O filme mostra muito bem essa questão.

    Sobre informações, ultimamente custo a abrir videos e imagens que me enviam em whatsapp, facebook. A única rede que disponho de um tempinho é o twitter, onde você consegue ter conversas legais.

    TV é algo que paro na frente dela para assistir uma série, um filme. Hoje assistir jornais é algo bem raro para mim.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, I.Inglês! Como está colega?
      Sim, eu gosto desse filme. Na verdade, há um conto de um escritor clássico, não me recordo quem, onde a mesma temática acontece: a pessoa pode pular as partes "chatas" da vida, e com isso acaba pulando a própria vida. É u conto bem interessante.


      Pois é, eu gosto de ver documentários no netflix. De vez em quando filmes, vi aquele indicado pelo Burguês Inglório (O Psicopata Americano) e foi interessante.

      Um abraço!

      Excluir
  13. Engraçado que cada vez mais tenho me deparado com textos e pensamentos assim... Olha aí o algoritmo funcionando hehe.. Apesar de concordar com você, Soul, que não devemos nos ater a somente a ideias e posições que nos são iguais.

    Mas isso em relação a tempo perdido nessas modernidades de internet, redes sociais e notícias... Nossa. É muito preocupante mesmo. Semana passada fiquei 50 minutos na cama olhando o Instagram após acordar! Vício! Doença!

    Um professor disse que um amigo disse ter ficado triste quando descobriu que tinha gasstado 2 mil horas em um único jogo de vide-game. Ele mesmo refletiu que se tivesse gastado 2 mil hora sem qualquer atividade de aprendizado que fosse, ele teria um conhecimento, seja dançar merengue ou jogar críquete. Mas não, jogou 2 mil horas que não acrescentaram nada... Assim como perdemos horas em várias outras coisas...

    Redes sociais até ajudam a interagir com diversas pessoas (o blog aqui não é bem uma rede social, mas hey, tem essa função), mas há que ter uma balança de precisão para dosar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paul. Exatamente. Eu já perdi muito tempo em muitas coisas. Penso no que poderia ter feito ou aprendido. Como já tenho 37 anos, a questão da passagem de tempo vai ficando um tópico mais premente para mim do que quando tinha 22 anos.
      Agora, se me permite, não pegue o seu celular quando acordar. Aliás, não deixe o seu celular no quarto contigo. Levante, se alongue, tome um copo de água, fique uns 5-10 minutos apenas contigo, depois desse ritual, se precisar, olhe o celular.

      Sim, é necessário achar o equilíbrio. Um abraço!

      Excluir
    2. Te entendo... Tenho 30 anos e me pergunto o que aconteceu com meus 20 hahaha...

      Farei isso, Soul! Hoje eu fiquei bem menos tempo no celular, mas ainda assim fiz nada de útil... Vou só deixar um copo d'água já no quarto e abrir a janela e pegar um pouco do sol da manhã nas costas...

      Excluir
  14. Obrigado por deixar esse problema tão claro Soul! Tenho me sentido realmente doente com essas coisas: notícias, redes sociais e alimentação ruim. A alimentação tenho melhorado, mas preciso focar mais nisso. Sobre redes sociais, logo que terminei de ler seu artigo tomei a providência de apagar o facebook e o linkedin do meu celular. Quanto a notícias, é um mal ainda maior para mim, que trabalho usando o notebook o dia todo.
    Uma coisa que queria te perguntar Soul: o que tem achado de morar em Florianópolis ultimamente? Talvez eu esteja de mudança para a ilha em breve por conta de trabalho. No seu caso, tem vontade e planos de morar em outro lugar, agora que tem total liberdade?

    Abraços, Brunoc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bruno.
      Essa é uma tática de eliminar os aplicativos do celular. Consulte o facebook do seu notebook apenas, e em algum horário especificado do dia por um período determinado. A forma que essas tecnologias são criadas e aperfeiçoadas para roubar nossa atenção. É por isso que se pisca, emite sinal, brilha na tela, a cada nova informação ou atualização. É instantâneo que nosso cérebro olhe, ou perca a concentração no que estiver fazendo, essa forma de quebra de atenção é extremamente nociva para produtividade.

      Eu gosto de morar na ilha. Sairia daqui talvez para morar ou na Califórnia, ou em Portugal, ou na Austrália.

      Um abraço!

      Excluir
  15. Soul, ótimo post.

    Há algum tempo venho tentando me abster de todo tipo de informação que não agrega em minha vida, ou que faz mal mentalmente. A única coisa que ainda não consegui largar foram as redes sociais. Por eu estar sozinho grande parte do tempo, creio que as redes acabam me fazendo companhia. Enfim, é um vício também que pretendo diminuir.

    Quanto a derrota do Lula, sinceramente não muda nada na minha vida. Digo o mesmo em relação as eleições. A segurança pública vai melhorar? Educação? Saúde? Essa esmagadora maioria de analfabetos funcionais brasileiros vão evoluir culturalmente? Provavelmente, no curto/médio prazo não, não importa quem apareça por lá.

    Então, foda-se..... rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Enriquecendo.
      Cara, as redes sociais podem ser uma boa ferramenta para se comunicar, se usado de forma consciente e inteligente. Porém, nada substitui o contato humano cara a cara, ao menos na minha opinião.
      É, a política brasileira, o assunto difícil, complicado e que parece que nunca saímos do lugar.
      Um grande abraço amigo.

      Excluir
  16. Fala Soul! beleza?!

    meio off topic rs
    Lembro que vc já citou algumas vezes como vc gosta (gostava) de pizza e que a melhor pizza q vc já comeu é ai de Floripa e tal ... vai conseguir ficar longe das pizzas?? rsrs

    Só curiosidade mesmo, porque mesmo quando eu treinava triathlon bem competitivamente nunca consegui me afastar desses prazeres haha

    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Victor!
      Cara, não, nem pretendo. Eu gosto do "ritual" de sair para comer uma bela pizza. Porém, tenho diminuído as idas sim, mas uma vez por semana é tranquilo. Agora certos alimentos evito comer. O legal é que você vai descobrindo outros alimentos, outros paladares e descobre que pode ser muito gostoso, às vezes muito mais do que comidas mais "tradicionais" e que não são tão boas ou nutritivas.
      Um abraço!

      Excluir
  17. Fala Soul, tudo bem?
    Após ler esse texto, tive a impressão de ser um dos melhores já publicados no seu blog. Essa linha de pensamento vai de encontro com o que penso e executo há anos, sempre buscando me distanciar das notícias e fatos, para abordar o plano das ideias e conceitos, onde reside o verdadeiro conhecimento e de onde podemos tirar lições para entender melhor nosso mundo. Enfim, como se costuma dizer, saia do Facebook e vá ler um livro! Forte abraço e fique em paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, colega. Tudo ótimo por aqui.
      Poxa, o pessoal gostou mesmo dessa reflexão. Talvez porque ela tenha sido mais prática. Algumas outras tem um caráter mais abstrato. Eu gosto muito das reflexões mais abstratas, e aquelas que questionam profundamente o que fazemos e o que somos, mas sem dúvidas reflexões de cunho mais prático tem uma ressonância enorme com as pessoas.

      Acho que você fez uma ótima escolha. Grato pelo comentário e um abraço!

      Excluir
  18. Texto perfeito Soul!

    Confesso que de vez em quando fico envolvido nessa droga. Eu tento "amaciar" um pouco a situação, escolhendo as fontes de informação através do Feedly. Então, consigo achar boas leituras que possa ajudar nosso crescimento intelectual. Mas, mesmo elas, atrapalham em nossos objetivos diários.

    DE vez em quando, tento algumas técnicas como "Pomodoro" e variações rsrs.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, André. Tudo bem?
      Sim, mesmo fontes de boa informação atrapalham nossos objetivos, simplesmente porque a nossa capacidade de processamento cerebral não é tão alta, a nossa energia mental diária é limitada, o nosso tempo disponível é finito e não fomos feitos para ser multitask. É algo que eu constantemente tenho que me policiar.
      Valeu pelo comentário e abraço!

      Excluir
    2. Vai AO encontro: tem significado de “estar de acordo com”, “em direção a”, “favorável a”, “para junto de”

      Vai DE encontro: tem significado de “contra”, “em oposição a”, “para chocar-se com”.

      Professor Pasquale

      Excluir
    3. Sim, professor, você está correto.
      Mas não creio que isso tenha ocorrido nessas mensagens, mas sim numa mais acima, mas eu não fiz questão de escrever, pois a mensagem ficou inteligível mesmo assim.
      Abs

      Excluir
  19. Olá soul
    Por favor dê uma olhada no e-mail.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  20. Olá Soul,

    Se excesso de informações faz mal, excesso de fake news então faz pior.

    Não entro mais em sites de notícias habitualmente. Só para ler uma ou outra coisa específica ocasionalmente.

    Nem acompanhei a questão do julgamento. Só fiquei sabendo depois.

    Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, I.Internacional!
      É verdade. Faz muito bem.
      Um abraço!

      Excluir
  21. Rapaz, há 15 anos não assisto ao Jornal Nacional. Desde que o Temer assumiu parei de comprar jornal de papel. Tento cortar a internet.

    O resultado é que minha vida melhorou muito, muito mesmo. Preocupo-me com necessidades reais, caminho na hora do almoço, não sou manipulado por facebook.

    Só tenho a ganhar ficando longe das notícias, que existem para dar lucros aos donos dos meios de comunicação.


    Abs,

    Carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carioca.
      Eu creio que é importante a existência de jornalismo sério, e ele está em crise pelo mundo. Porém, isso é um outro assunto:)
      Faz bem em focar em si mesmo e não se deixar drenar pelo fluxo constante de informação.
      Um abraço!

      Excluir
  22. ctrl + f: tim ferriss, 0 resultado.

    Essa questão de desintoxicação de notícias foi uma das melhores dicas naquele livro "the 4 hour week" do Ferriss, é exatamente isso que você fala. A argumentação de que se a notícia for realmente importante você vai saber por outros meios é fantástica. Nada melhor do que usar nosso escasso tempo de forma melhor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, VR!
      Exatamente, aquele livro do Tim Ferriss é realmente recheado de dicas muito valiosas.
      Um abraço amigo!

      Excluir
  23. Alguma previsão a respeito do livro sobre leilões? Ansioso para adquirir. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, colega. Está razoavelmente avançado, creio que escrevi metade do livro. Espero que até abril-maio esteja pronto.
      Um abraço e valeu!

      Excluir