sábado, 21 de novembro de 2015

ARGUMENTOS FAJUTOS

Olá, colegas. Resolvi vir para Malásia. Passei alguns dias em Kuala Lumpur, capital do país, foi a minha segunda estada na cidade, e foi uma experiência interessante. Neste exato momento, estou indo para Bornéu. Sim, um dos lugares de maior biodiversidade do mundo, onde inúmeras espécies de animais são descobertas ano após ano. Fiz apenas pesquisas muito rápidas, mas resolvi ir assim mesmo. Parece que há parques nacionais remotos, as maiores cavernas abertas ao público do mundo, rios no meio da selva, orangotangos, animais de todos os tipos e um dos lugares mais lindos para se mergulhar no mundo (Siporan). Não sei quanto tempo ficarei,  talvez três semanas, mas pretendo visitar também  o rico país Brunei do sultão famoso.  Creio que será uma grande aventura, vamos ver. 

   Entretanto, o artigo de hoje não é sobre países ou viagens, mas sim sobre argumentos, tema que para mim é de extrema importância. Desde a minha infância e principalmente durante a minha adolescência, eu fui obrigado a conviver com a lógica dos argumentos e saber aceitar quando estava errado. Isso por causa do meu envolvimento com o mundo do xadrez. Quem não foi ou é do meio, não sabe que depois de partidas de torneios importantes é de bom tom e da etiqueta do esporte analisar a partida com o seu adversário. Geralmente, se vai para uma sala ao lado e se analisa os movimentos.  Nessas análises, a comprovação é quase que matemática, pois se o adversário te mostra uma linha que você não tinha observado, e ela se revela uma boa estratégia, não há nada que você possa fazer a não ser aceitar. Essa é a beleza. Você pode estar jogando contra o Kasparov, que foi um dos melhores jogadores de xadrez de todos os tempos, mas se você mostrar para ele uma análise superior numa determinada jogada, ele vai aceitar. É simples assim. 

   A única vez que me neguei a analisar uma partida foi depois de um jogo num campeonato mundial. Eu estava jogando muito bem esse torneio. Na rodada número 8 (nesse campeonato em específico eram 11 rodadas) eu estava jogando na mesa número 10 (ou seja estava entre os 20 primeiros na competição de um número aproximadamente de 100 jogadores). Tinha uma posição claramente superior na partida. Se eu ganhasse, provavelmente iria jogar na mesa 4 ou 5, ou seja estaria entre os 8-10 primeiros a apenas três rodadas do fim. Iria provavelmente jogar de brancas, o que não deixa de ser uma vantagem, e se ganhasse provavelmente iria jogar na mesa 1 ou 2 faltando apenas duas rodadas e vai saber o que poderia acontecer, pois se eu chegasse nessa posição, com certeza para as duas últimas partidas eu iria ser assessorado por algum grande mestre, que nesse torneio se não me engano era o Gilberto Milos. Ou seja, iria ser um fato histórico para mim e para a cidade onde nasci. Depois de 10 minutos analisando, vi uma linha quase que vencedora. Fiquei tão animado, mais tão animado, que comecei a sorrir internamente. Quando eu ia fazer o movimento, observei aparentemente um furo na análise. Fiquei tão frustrado, que analisei apenas uns dois minutos e fiz uma outra jogada, a qual se mostrou  horrível e me colocou numa situação ruim. Depois de ver a bobagem feita, reanalisei a linha que poderia ser vencedora, e não havia furo, eu tinha visto uma miragem. Depois de perceber isso, fiquei abalado e acabei perdendo a partida. Sai do jogo tão brabo comigo mesmo e a situação que quase não cumprimentei o adversário no final da partida, algo que é extremamente rude, e não quis analisar a partida. O meu pai disse que fui muito mal-educado, mas ele entendeu que eu era apenas um adolescente e estava chateado com a situação, mas mesmo assim me passou um leve “sermão" de que se deve saber perder, não se pode ser mal-educado, eu estava representando o meu país e não podia ter esse tipo de comportamento. Uma das coisas boas do xadrez é que ele te ensina a perder individualmente (não há outros para responsabilizar), bem como a aceitar a sua inferioridade intelectual em algumas situações, algo que percebo é extremamente difícil para muitas pessoas, pois como diz o ditado hebreu “quase todos são insatisfeitos com os seus corpos, quase todos são satisfeitos com seus cérebros". 

   Assim, não existe argumento de autoridade no xadrez. O que existe é apenas lógica. O argumento de autoridade não é argumento. Não importa se W. Buffett disse qualquer coisa sobre investimento, o que importa é o argumento não quem o disse. Apesar da falha do “argumento" de autoridade, algo que quase todos o tomam como um real argumento, ele ainda consegue ter alguma força perto dos diversos argumentos fajutos que se encontram atualmente em nossa sociedade.

  Ao sair da adolescência e ir para juventude, também convivi com argumentos. Em minha faculdade, era conhecido por não poupar argumentos mal-feitos. Diversas oportunidades professores com títulos de pós-doutor em alguma faculdade no exterior, simplesmente perdiam a cabeça e falavam para eu sair da sala de aula. Teve uma vez que quase toda a minha turma saiu junto comigo tal foi a reação esdrúxula do professor. Junto com meus amigos de faculdade mais próximos, e como foi boa essa época, falávamos de tudo: mulher, filosofia, direito, política, surfe, filmes. Aliás, essa foi a diferença da minha turma de faculdade, a existência  de diversidade de assuntos, nada mais distante do que a pasmaceira que veio depois da faculdade, com pessoas quase que com apenas um tipo de conversa. Nesse meio, por mais que fôssemos jovens, argumento ruim não tinha espaço e a pessoa tinha que reconhecer simplesmente que estava errada.

   Para minha surpresa, no meu trabalho, que era de se esperar pessoas bem capacitadas tal a responsabilidade e nível de exigência para ingresso no mesmo,  não foi nada parecido com a minha adolescência e meu tempo na faculdade. Argumentos pífios, orgulho intelectual, ameaças veladas, ou não,  simplesmente por contrariar algum pensamento eram às vezes a norma, não a exceção. Ao começar a escrever nesse blog, e ver artigos alheios e mídias sociais, aos poucos constatei espantado que o nível de argumentação de muitos ambientes é medonho, sendo muito benevolente.

   Uma sociedade que não sabe argumentar, não sabe discutir e incorre em erros simples de lógica, não pode construir tecnologia de ponta, conhecimento novo, em suma, não será uma nação das mais destacadas.  Isso é tão claro e cristalino como as águas de El Nido na ilha de Palawan nas Filipinas.  É por isso que existe escola, existe o ensino formal de certas matérias. Para se desenvolver intelectualmente um ser humano precisa de tempo, de conhecimento e de pessoas dispostas a orientar na busca desse conhecimento.  Cozinhar e entender de mecânica de carros é ótimo, mas apenas com isso e sem um conhecimento sólido de química e matemática a chance de se prosperar, enquanto nação, num mundo de ideias cada vez mais profundas é  quase nenhuma. 

   A  fraqueza dos argumentos denota, em minha opinião, uma nítida fraqueza na formação de ideias. É claro que orgulho e mesquinharia tem a sua grande contribuição, mas creio que tudo é derivado principalmente de um grande deficiência educacional. Não é à toa que a educação, ou a falta dela, é o que provavelmente nos fará ser uma sociedade de renda média nos próximos 15-20 anos. 

   Após, essa breve digressão, irei enumerar alguns dos argumentos mais obtusos e fajutos com os quais muitas vezes eu me deparo pela internet. 

O ARGUMENTO BOM-BRIL OU MIL E UMA INUTILIDADES.

    “ O texto produzido pelo Soulsurfer no site pensamentos financeiros sobre conquistas financeiras é superficial e impreciso. No decorrer do artigo, palavras e ideias de efeito são escritas, mas sem qualquer precisão ou conexão com a realidade. Na verdade, o autor faz uma tentativa medíocre de abordar tema complexo. No fundo, o artigo apenas mostra a preferência do autor por uma determinada ideia, sem sopesar as diversas nuances da temática.”

    Uau! Isso sim é um argumento dos bons.  Como vejo esse tipo de “argumento" por aí, e como ele já foi utilizado nesse meu espaço. Vejamos. 

  “ O texto produzido pelo Diogo Mainardi na revista Veja sobre a relação entre o bolsa-família e o domínio eleitoral do PT  é superficial e impreciso. No decorrer do artigo, palavras e ideias de efeito são escritas, mas sem qualquer precisão ou conexão com a realidade. Na verdade, o autor faz uma tentativa medíocre de abordar tema complexo. No fundo, o artigo apenas mostra a preferência do autor por uma determinada ideia, sem sopesar as diversas nuances da temática”

“ O texto produzido por Gandhi em uma carta endereçada à sua esposa sobre a necessidade de ser gentil é superficial e impreciso. No decorrer da carta, palavras e ideias de efeito são escritas, mas sem qualquer precisão ou conexão com a realidade. Na verdade, o autor faz uma tentativa medíocre de abordar tema complexo. No fundo, a carta apenas mostra a preferência do autor por uma determinada ideia, sem sopesar as diversas nuances da temática.”

“ A palestra dada  por Lula numa assembléia da CUT sobre a influência da crise política na economia é superficial e imprecisa. No decorrer da fala, palavras e ideias de efeito são ditas, mas sem qualquer precisão ou conexão com a realidade. Na verdade, o palestrante faz uma tentativa medíocre de abordar tema complexo. No fundo, o discurso apenas mostra a preferência do autor por uma determinada ideia, sem sopesar as diversas nuances da temática”

“ O discurso feito por Obama no Congresso no State of the Union na parte relativa à imigração é superficial e impreciso. No decorrer do discurso palavras e ideias de efeito são ditas, mas sem qualquer precisão ou conexão com a realidade. Na verdade, o discursaste faz uma tentativa medíocre de abordar tema complexo. No fundo, o discurso apenas mostra a preferência do autor por uma determinada ideia, sem sopesar as diversas nuances da temática”

   Sim, esse "argumento" fajuto se aplica a qualquer situação. Você pode utilizar em qualquer contexto para qualquer coisa, pois ele é vazio e se aplica a qualquer caso. Na Blogosfera financeira, uma subvariante desse “argumento" é utilizada na forma de uma entidade abstrata chamada “A Banca”. Vale a pena comprar FII? Não, "a Banca" vai te pegar. Qual é o nível adequado de spread entre o yield médio do IFIX e os juros de uma NTN-B? Não sei, e não quero saber, pois "a Banca" está na espreita. Vale a pena investir no exterior via REITs ou ETFs de ações e BONDs? Cuidado, "a Banca internacional" vai levar todo o seu dinheiro. Com o argumento da Banca, nenhuma questão específica precisa ser respondida, e ela pode ser utilizada para “responder" qualquer pergunta.

   É evidente que o meu texto, ou qualquer outro,  pode ser superficial, e intermediários podem ganhar muito dinheiro com a intermediação-venda de ativos financeiros inflados. Entretanto, a simples afirmação disso é vazia, e quase sempre é utilizada para fugir da análise de fatos ou de perguntas específicas, que a toda evidência necessitam muitas vezes uma reflexão mais pausada, algo que um “argumento" como esse não faz. 

   Sempre que ver um argumento desses, prezado leitor, apenas pergunte: "Ok, e qual é o ponto específico?”. Isso na maioria dos casos já é o bastante para derrubar esse não-argumento.

O ARGUMENTO “BLABLABLA"

   Este belo tipo de “argumento" é bastante utilizado em alguns espaços. Funciona assim: há alguma ideia com a qual não se concorda, e ao invés de se dar elementos objetivos e racionais, ridiculariza-se a ideia com o uso de uma quase onomatopéia “blablabla”. Se alguém diz, por exemplo,  que a humanidade passa por uma crise ambiental profunda, outra pessoa pode discordar e dizer “esses ecochatos dizem que há problemas ambientais, pois estão cortando algumas árvores, os rios estão secando e blablabla”. O “blablabla" serve então como uma forma de se ridicularizar alguma ideia sem dizer absolutamente nada de concreto a respeito. Como o argumento de mil e uma inutilidades, o “blablabla" pode servir para pretensamente menosprezar qualquer forma de ideia e pensamento sem entrar objetivamente em nenhum ponto. No fundo, não passa de desonestidade intelectual.

   O recurso de blabação é muito utilizado para treinamento no teatro. Já fiz algumas vezes e sempre foi muito divertido. Consiste em simular atuações falando apenas “blabla" sem dizer qualquer palavra. Depois que você faz a mesma cena podendo falar é a mesma sensação de quando treinava capoeira com pesos nas pernas e depois retirava os mesmos e a sensação que a perna ia sair do corpo de tão leve que ficava. Logo, serve no teatro, não na arena do debate de ideias.

O ARGUMENTO AVESTRUZ

   Esse “argumento" é o mais medonho que existe e demonstra uma grande covardia intelectual. Antes de ler mais coisas na internet, eu nunca tinha o encontrado, pois ele é tão fraco que eu não consigo acreditar que pessoas realmente agem assim. Nele, simplesmente se foge de ideias, enfiando a cabeça na terra, sobre o pretexto de que algumas ideias são nocivas e as pessoas que as defendem são “boas de lábia”, “cheias de pretextos”, sendo portanto perigoso até mesmo ouvir os argumentos. 

  Isso é simplesmente ridículo. Se você teme ouvir uma ideia que não é do seu agrado, sob o pretexto de que ela será atrativa e bem fundamentada , e isso de alguma maneira seria errado, há duas hipóteses: a) ou a ideia com a qual você concorda é simplesmente fraca, pois você não consegue nem mesmo contrapor uma ideia antagônica com fundamento ou b) você é um radical que não se importa com a verdade ou não de suas convicções, pois suas convicções sempre estarão certas não importando evidências em contrário. Ora, se for o caso da letra “b”, não há qualquer diferença dessa postura para o comportamento de um fundamentalista muçulmano em relação às suas convicções, por exemplo. Repito: nenhuma. A diferença será nos malefícios que um determinado fundamentalismo e fanatismo poderá ocasionar a si e a outros. No caso do argumento avestruz numa rede social, por exemplo, é possível que os efeitos maléficos para outras pessoas sejam nenhum ou bem pequenos. No caso de um fundamentalista religioso, os efeitos negativos para a vida de terceiros podem ser terríveis.

  Prezado leitor, nunca tenha medo de ouvir, ler ou escutar qualquer ideia. Não se amedronte e use o argumento “avestruz”. Eu posso ler sobre qualquer coisa mesmo, e isso em nada me afetará. Poderá reforçar ideias preexistentes, questioná-las ou fazer surgir novas formas de ver os diversos aspectos da vida humana, porém espero nunca ficar com medo de ouvir qualquer tipo de ideia.

AS FALÁCIAS AD HOMINEM USADAS COMO ARGUMENTO 

  Esse aqui é o prato cheio, o creme de la creme dos argumentos fajutos. Não irei dar um definição do que seja uma falácia ad hominem, vou dar exemplos. Colegas, se eu disser que a taxa de juros real no Brasil é muito alta, mesmo para eventual risco-país, se alguém não concorda com essa afirmação e dizer que eu sou um “tolo", essa postura em nada se contrapõe a ideia de que os juros reais são altos no Brasil mesmo ajustado para o risco. Houve um ataque ao emissor do argumento, não ao argumento em si.  E aqui entra mais um detalhe. Mesmo que eu fosse realmente um “tolo" isso em nada contraria o argumento sobre os juros no Brasil, e a quantidade de pessoas que não entende essa simples constatação lógica é surpreendentemente muito alta.

   Se A disser que matar outro ser humano, a não ser em casos de legítima defesa, é errado, não adianta B replicar dizendo que A já matou sem ser em legítima defesa para anular o argumento de A, pois isso em nada contraria o argumento sobre assassinato. O máximo que se pode dizer é que A está sendo hipócrita, não que o seu argumento não é forte eticamente.

  Poderia fazer diversos pensamentos aqui nesse tópico. Sobre o efeito “halo" muito conhecido nas finanças comportamentais. Poderia falar sobre o meu artigo sobre rótulos, pois o que não é muitas vezes um rótulo usado em argumentos se não uma falácia ad hominem? Não concorda? Se está a se falar sobre externalidades negativas na indústria química e a justiça ou não em tentar se quantificar financeiramente essas externalidades, o que irá ajudar na resolução da questão dizer que alguém é de esquerda ou de direita e simplesmente parar o "argumento" aí? Em absolutamente nada.

   O debate de ideias por meio de argumentos sólidos é essencial para o desenvolvimento de uma sociedade, mas também do próprio indivíduo. Isso não é um assunto de pouca importância. Tentem fugir da utilização desses “argumentos" fajutos, e saibam reconhecer quando eles são utilizados. O seu desenvolvimento pessoal e a sociedade como um todo agradecem.

As belíssimas Petrona Towers, símbolo máximo de Kuala Lumpur, vistas de noite. Há um complexo muito bacana no local, com um shopping bem chique, bem como com um teatro onde a filarmônica da Malásia sempre se apresenta. Como não tinha roupa para ver o concerto da filarmónica, o que foi uma pena, fui ao cinema com a Sra.Soulsurfer ver jogos vorazes. O filme é meia boca, mas foi bacana ir ao cinema de novo. Hoje tentei relembrar todas às vezes e já fui ao cinema em 11 países diferentes e cada um deles foi uma experiência diferente. Poderia escrever um artigo apenas sobre isso, como as pessoas, o cinema, as propagandas, a forma de assistir o filme, variam de país para país.



  É isso colegas, grande abraço a todos!

19 comentários:

  1. Curto e aprendo muito com seus longos textos. São ótimos.

    Imagino a frustração ao si auto derrotar, algo que nunca esquecerá, nas acredito que teve um grande lado positivo.

    Sobre argumentos, já cansei dos blá blá blá e dos radicais. Fui diversas vezes retaliado por principalmente por usar a lógica. Já tentaram até me agredir, não aceitam a razão e a objetividade.

    Passei a filtrar quase tudo. Por exemplo, tenho aprendido mais em blogs do que em sites de notícias, Tv e na faculdade.

    No campo de investimentos vejo pessoas encamparem um fundamento a qual só este é o correto até o "tempo" mostrar o contrário.

    Diante do exposto, fico no meu cantinho, construindo umas casinhas de Aluguel. Para quem sabe um dia visitar esses países listados por ti e a qual não são a primeira ideia de viajem internacional de boa parte da população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Viver de Aluguel.
      O clássico, e quase sempre bem sucedido, caso de construir casas ou apartamentos pequenos e colocar para alugar. Desejo sorte na sua empreitada.

      Não tenho dúvidas de se pode obter informações de muito melhor qualidade em vários blogs na internet do que vendo televisão, a excessão de alguns bons programas como Roda Viva, Globo News Painel, etc.

      Abraço

      Excluir
  2. Soul, esses argumentos sao facilmente identificados pelos políticos, sobretudo no debate das eleições. Pena que, pelo menos no caso do Brasil, os brasileiros nao notam os eleitores saindo pela "tangente" utilizando tais argumentos fajutos.
    Confesso que quando ouço um argumento fajuto com capacidads de enganar a a população a minha vontade é de chorar. Juro!
    Abraço.
    Acho q ja perguntei mas nao me lembro de ter lido sua resposta: alem de surfar vc pratica escalada??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tenho sensação parecida. Quando vejo políticos como o Bolsonaro ou Jean Wylies (não sei se é assim que se escreve) e seus argumentos horripilantes e furados, pelo menos boa parte deles, como um queijo suíço ganhar tanta ressonância entre os eleitores e a sociedade como um todo, eu fico triste.


      Não, gosto de fazer trilhas, mas não tenho qualquer experiência em escalada técnica.

      Abraço

      Excluir
  3. Sobre o tal "argumento avestruz", você diz:

    "Nele, simplesmente se foge de ideias, enfiando a cabeça na terra, sobre o pretexto de que algumas ideias são nocivas e as pessoas que as defendem são 'boas de lábia', 'cheias de pretextos', sendo portanto perigoso até mesmo ouvir os argumentos."

    OK, então quero ver como você reagiria à seguinte situação (verídica): sua esposa chega em casa, depois de visitar uma amiga que tem um marido cujo caráter/honestidade é meio, digamos assim, duvidoso. Este marido diz que descobriu o melhor negócio do mundo, e segundo sua esposa repassa a descrição para você, é o exemplo clássico de um negócio de pirâmide. Você, que já viu n negócios de pirâmide na vida, reconhece na hora e de longe todos os atributos de uma pirâmide, e fala isso pra ela. Acontece que o marido da amiga já disse que não é pirâmide, é marketing multi-nível, que não tem nada a ver com pirâmide, e que você só precisa ir numa reunião para apresentarem essa oportunidade de negócios única (o que, para quem conhece sobre pirâmides, sabe que é mais um sinal claro de que, sim, isto é uma pirâmide). Além do mais, a amiga dela é extremamente meticulosa, supostamente pesquisa todos os assuntos que a interessam a fundo, e a ideia passou pelo crivo dela.

    Você tenta explicar o que é uma pirâmide, que matematicamente é impossível funcionar, mas sua esposa insiste que você só deve ir nessa reunião para ver a apresentação dessa "oportunidade de negócios". Se você for à tal apresentação, e não rebater de forma definitiva e com autoridade todos os argumentos desse pessoal sobre não ser uma pirâmide (pessoal que, como você imagina, tem boa lábia, e já preparou todos os contraargumentos falaciosos sobre não ser uma pirâmide), sua esposa provavelmente aproveitará o gancho para deixar o emprego (com o qual ela anda desiludida) e pegar boa parte do dinheiro do casal, obtido a muito suor e sangue, para colocar nesse negócio que sabidamente terá um final infeliz.

    E aí, o que você faz nessa situação? Corre o risco ou apela para o "argumento de avestruz" e possivelmente um argumento ad hominem do tipo "será que sua amiga é tão meticulosa quanto você pensa?" (o que você sabe que ela não é, pois se fosse teria descoberto que é uma pirâmide)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Unknown.
      Rapaz, creio que são casos bem diferentes.
      No texto abordo o fato de pessoas não quererem, por medo-covardia-desconhecimento-radicalismo, ouvir opiniões diversas. Assim, se você é contra a redução da maioridade penal, não querer ouvir outro argumento. Se você é contrário a lei que minimizem o sofrimento de animais destinados ao abate, ter receio de ouvir argumentos contrários.

      No seu caso, você tem quase certeza que é uma pirâmide. Você não gostaria de ouvir nenhum argumento não porque tem medo dos mesmos, mas sim por saber que é um típico caso de golpe. Entretanto, os interesses de uma pessoa muito próxima estão em jogo e por via de consequência os seus interesses. Nem tudo no mundo é feito de lógica, e se meus textos dão a entender isso, eu realmente preciso fazer algumas alterações. Logo, em certos casos não adianta mil e um argumentos lógicos, e é mais eficaz apelar para o lado emocional da coisa, algo que os políticos e os responsáveis por marketing sabem e usam com maestria.

      No seu caso específico, não vejo como se omitir da situação e não colocar a sua posição firme contrário ao negócio, se uma pequena falácia, como bem destacado por você, tiver o efeito emocional maior que os argumentos lógicos, então não veria nada de errado.

      Abraço, grato pelo instigante comentário.

      Excluir
    2. Oi SS,

      Não sei o contexto em que geralmente você escuta essa falácia da avestruz, eu geralmente escuto em casos de "típico caso de golpe".

      Nem sempre um golpe pessoal, mas golpe político também. Claro, isso pode ser usado tanto por gente inteligente como por gente ruim da cabeça.

      Quando isso acontece, o sujeito que usa o argumento de avestruz já considerou a outra parte como inimigo. Ai já não existe nada que se possa fazer.

      Alguns até se vangloriam que estão xingando, não argumentando.

      Excluir
  4. Interessante também é o argumento da hierarquia de crimes, onde A comete um crime e B comete um crime mais grave segundo A, então A não pode ser julgado ou contestado sem que primeiro o seja B.

    Esse parece ser o recurso preferido dos nossos políticos, como por exemplo:

    “Alguém se deu ao trabalho de investigar quem mais recebeu recursos da Camargo Corrêa, que a petição aponta que doou a mim R$ 500 mil diretamente?”, questionou Cunha, citando o nome de outros parlamentares que receberam recursos da empresa, como a ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffman e os petistas Aloizio Mercadante (atual ministro da Casa Civil), Marta Suplicy, José Genoíno, entre outros.

    http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/POLITICA/483329-CUNHA-DIZ-QUE-INCLUSAO-DO-SEU-NOME-NA-LISTA-DE-INVESTIGADOS-TEM-MOTIVACAO-POLITICA.html

    O que pra mim é uma pena e só reforça o que diz o Soulsurfer que uma sociedade que não discute ideias de forma lógica e honesta será uma sociedade atrasada intelectualmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mota. Sim, você tem toda razão.
      O fato de A cometer um crime mais grave do que B, obviamente B não pode utilizar em sua defesa esse fato.
      Infelizmente, é o que acontece em muitos casos com nossos políticos.
      Aliás, essa é uma linha de argumentação do PT para a "explicação" dos seus desvios, o que é algo lamentável.

      Por seu turno, a sociedade, a Justiça e os meios de comunicação não podem ser seletivos. A lei deve servir e ser direcionado a todos, e quando isso não ocorre, há a sensação de "injustiça" na cabeça da pessoa que tenta ser responsabilizada por um ato contrário a lei.
      Basta imaginar que se muitos andam no acostamento nas estradas de São Paulo no feriado e alguém faz isso e é parado pela polícia, ele pode pensar que está sendo injustiçado, pois muitos fizeram e não foram parado. Isso é o caminho certo para criar uma sociedade bagunçada como a nossa.


      Abraço

      Excluir
  5. Soul,

    Isso é falta de pensamento crítico. Na maioria das vezes se trata de "ganhar" a discussão e não de descobrir a verdade, pura questão de ego.

    Abs.,

    VR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, VR.
      É exatamente isso.
      Rapaz, vi o seu último artigo (aliás, você deveria escrever mais), bela guinada hein.
      Iria te escrever um e-mail, mas creio que vou fazer um artigo sobre os vários pontos abordados por você.

      Grande abraço!

      Excluir
  6. Esses textos nos fazem ter mais consciência sobre a importância de um debate leal e justo.

    Principalmente pessoas que não gostam de ter suas ideias questionadas, adoram atacar diretamente características de outras pessoas, em vez dos argumentos. Isso anula completamente o debate e troca de idéias. É um verdadeiro perde-perde.

    Infelizmente, isso reflete a péssima performance de nosso país...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anderson!
      Grato pela visita e comentário. Concordo contigo, amigo.
      Abraço

      Excluir
  7. Hamlet de Concreto.24 de novembro de 2015 13:02

    Querido Soul,

    Leio suas publicações há um tempo, mas como só tive a oportunidade de fazer um comentário agora, gostaria que você soubesse como suas postagens me incentivam a querer ver a vida por uma perspectiva diferente, do tipo que exclama em alto e bom som: "Além do meu, há aqui algum traseiro acomodado para chutar?".
    Suas palavras conseguem me trazer uma sensação nostálgica, como se toda a sua linha de raciocínio já tivesse passado pelo meu cérebro em algum momento da minha vida e escapado das minhas mãos como areia na praia. Ou como uma música perdida que você ouviu há cinco anos e adorou, mas que não conseguiu descobrir o nome. E então, de repente, ela começa a tocar na rádio, enquanto você está no trânsito, sendo incomodado por pensamentos financeiros fajutos.
    Consegue sentir?

    Continue sempre assim ou, se for pra mudar, melhore.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hamlet.
      Fico lisonjeado com suas sinceras e verdadeiras palavras, penso que a forma como se expressou teria a aprovação do grande escritor inglês , se vivo fosse.
      Abs

      Excluir
  8. Soul, boa tarde! Gostaria que você me desse conselhos em relação a livros com foco na independência/educação financeira, se não for incomodar, é claro...

    Você conhece o escritor e consultor Gustavo Cerbasi? Se sim, já leu alguma obra dele?
    Muitas pessoas me disseram pra ler também o livro "Pai Rico, Pai Pobre", escrito por Robert T. Kyosaki... Caso já tenha lido esse, você teria algo a me dizer a respeito? Sou muito, muito, muito leigo quando o assunto é investimentos, mas pretendo me aprofundar. Só não sei como!! kkk.
    Imagine você no começo!

    De onde tirou tanto conhecimento?

    Obrigado pela atenção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Henrique. Procure aqui no site indicações bibliográficas. Artigos do meio do ano passado. Há livros para todos os níveis lá.
      No mais, há bastante material pela internet, e bons blogs. Recomendo o Viver de Renda, artigos do Di finance , artigos do Além da Poupança , artigos do Blog do Dr. Money , entre outros bons blogueiros. Tenho certeza que se gastar um tempo lendo não se arrependerá.

      Abraço!

      Excluir